top of page

The Economist: Museus estão aprendendo a amar os NFTs

Prestigiada revista britânica ainda destacou que a tecnologia estaria talvez só dando seus primeiros passos


Quando a respeitada The Economist repercute sobre algo isso costuma chamar a atenção. Dessa vez o assunto foram os NFTs. A matéria da revista abordou como está o momento dos NFTs com museus respeitados abraçando a tecnologia e inserindo obras em suas coleções.


Eu li a matéria hoje e trago aqui um pequeno resumo que acredito que possa interessar:


O mercado pode ter mudado quanto ao interesse e valor dos NFTs. Mas o boom deixou um legado no setor. Grandes museus de arte começaram a adquirir obras de arte baseadas em NFT, ou “tokenizadas”, mesmo que tenham perdido o brilho da era da pandemia. A arte digital, que antes era marginalizada no mundo da arte, agora está sendo mais apreciada pelo público.


Artistas usam computadores para fazer arte desde a década de 1960. Mas só ganharam destaque em março de 2021, quando “Everydays”, um mosaico digital de Beeple, composto por 5.000 imagens, foi vendido por US$ 69 milhões na Christie’s. Foi o segundo maior preço pago por uma obra de um artista vivo.


Mas nem toda arte digital é NFT, e nem todo NFT é arte. Um NFT é apenas um certificado de propriedade: uma forma de criar uma versão única de um ativo digital facilmente copiável. Ao criar um NFT, um artista cria a “escassez digital” e, assim, o valor.

Houve uma confusão entre o “certificado de autenticidade e a própria arte”, diz Christiane Paul, curadora de arte digital do Whitney Museum. A bolha NFT gerou um “equívoco radical sobre o que é arte digital”. (O termo abrange desde rabiscos para iPhone até vídeos complexos gerados por computador.)


Mas os museus estão apostando nos NFTs e na arte digital para captar o espírito do tempo e atrair novos públicos. O Whitney possui 30 NFTs, o Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA) aceitou a doação de duas obras baseadas em NFTs, e outros museus pelo mundo também adquiriram NFTs.



MoMa por Kevin Harber


Algumas dessas obras fazem parte do esforço dos museus para melhorar suas ofertas digitais. No ano passado, o MoMA vendeu polêmicos US$ 70 milhões em arte de sua coleção para financiar projetos e aquisições digitais. Uma das obras doadas ao MoMA, “Unsupervisioned”, de Refik Anadol, apresenta animações agitadas geradas por um modelo de aprendizado de máquina – um treinado em dados da coleção do MoMA. A obra foi bem recebida pelo público, mas criticada pelos críticos, que a chamaram de “uma lâmpada de lava extremamente inteligente” e uma “mediocridade inútil do museu”.





Alguns curadores rejeitaram os NFTs. Um diretor de museu no Texas recusou uma oferta de NFT de um doador (talvez em busca de um benefício fiscal): ele perguntou: “Posso vendê-los e comprar arte de verdade?”


No entanto, o boom dos NFTs trouxe a arte digital aos olhos do público. Isso “abriu as portas da galeria para artistas digitais”, diz Zachary Small, autor de “Token Supremacy”, um livro que está por vir. A “cultura da internet NFT” terá sucesso no mundo da arte tradicional, prevê Jeffrey Deitch, galerista americano.


Com o tempo, o mercado de arte digital pode se parecer com o analógico: cheio de porteiros. Curadores e galeristas terão que separar o joio do trigo no OpenSea, um mercado de NFT; O valor de uma obra de arte será determinado menos pela saúde de uma criptomoeda e mais pelo consenso crítico.


Os colecionadores voltarão a confiar na arte digital? Casas de leilão, como Christie’s e Sotheby’s, afirmam que as vendas de obras de arte digitais continuam a crescer, mesmo que os preços estejam baixos. A arte digital representa 3% dos gastos dos compradores de alto patrimônio líquido e 8% de suas coleções, de acordo com dados coletados pela Art Basel: queda pela metade em relação ao ano passado, mas acima de antes do boom. Os gastos foram mais altos entre os colecionadores da Geração Z, sugerindo que os jovens podem impulsionar essa tendência.


O mundo da arte está atualmente “na idade da pedra da virada virtual”, diz Daniel Birnbaum, diretor da Acute Art e ex-curador da Bienal de Veneza. Alguns esperam que isso seja como a bolha das pontocom antes dela. Isso faria com que o momento NFT não fosse o fim de algo, mas sim o começo.


Eu vejo com clareza que estamos só na primeira fase de um tecnologia que não tem nem 10 anos completados. Algo que adiciona valor, elimina a necessidade de intermediários e abre espaço para novos talentos mostrarem e venderem suas artes. A matéria da The Economist não citou a Paris Photo, maior feira de arte de fotografia do mundo que nesse ano estreou um setor voltado para IAs e NFTs. Fez tanto sucesso que terá espaço maior em 2024. Na minha visão, blockchain e NFTs são o futuro da fotografia e da arte.


Se quiser entender e participar desta nova fase de valor da fotografia conheça e participe do NFoTo. Saiba mais aqui >>> NFoTo: fotograf.IA, NFT e inovação

0 comentário

Commentaires


bottom of page