top of page

Startup de IA que prometia gerar imagens 3D em minutos usava artistas humanos para fazer o trabalho

A Kaedim, uma empresa de Londres que dizia usar aprendizado de máquina para converter desenhos 2D em modelos 3D, na verdade contratava pessoas para fazer a conversão



Com informações de ACS


Uma startup de IA que afirmou produzir “magicamente” modelos 3D em minutos usando aprendizado de máquina na verdade faz o trabalho com artistas humanos. A Kaedim, fundada em Londres em 2020, afirma usar inteligência artificial para converter o desenho 2D de um cliente em uma imagem 3D em minutos. Sua fundadora, Konstantina Psoma, foi incluída no 30 Under 30 Europe da Forbes recentemente, e a empresa levantou $US 1,5 milhão.


Contudo, uma investigação da 404 Media descobriu que Kaedim trabalha na verdade com humanos e que às vezes toda a conversão para 3D foi feita do zero por um humano sem o uso de qualquer IA. Citando duas fontes, o relatório disse que Kaedim contratou várias pessoas de todo o mundo em funções de “controle de qualidade”, e que elas recebiam de $US a $US 1 por modelo produzido.





As fontes também disseram que às vezes isso era feito sem o envolvimento de aprendizado de máquina, e que o que era produzido pelo sistema de IA era muitas vezes de qualidade tão baixa que ficava irreconhecível.


O envolvimento próximo de artistas humanos contrasta com a forma como a empresa de tecnologia estava comercializando seu produto para seus clientes. Uma versão de arquivo do site de Kaedim, de julho deste ano, dizia que a empresa poderia “gerar magicamente modelos 3D personalizados em minutos”. E ainda dizia: “Parem de perder horas com ferramentas de modelagem”, disse o site. “Gere arte 3D impressionante com nada mais do que uma imagem.”


Psoma afirmou anteriormente que a empresa estava “automatizando as partes chatas” da modelagem 3D. “Nosso software modela automaticamente a geometria do zero”, disse ela à Forbes no ano passado. “Agora qualquer pessoa pode integrar a conversão automática de 2D para 3D em seus aplicativos, jogos e metaversos.” Após a publicação da matéria da 404 Media, o site da Kaedim foi atualizado para reconhecer o papel dos artistas humanos no processo.


“O aprendizado de máquina e a equipe de arte interna da Kaedim se combinam para entregar ativos de qualidade de produção em minutos”, diz atualmente. A empresa também reconheceu uma terceira etapa em seu processo, após o desenho 2D ser colocado em sua máquina de IA.





Depois disso, um “artista Kaedim examina seu modelo e faz as mudanças necessárias para deixá-lo pronto para a produção”. A investigação encontrou perfis no LinkedIn de trabalhadores de “controle de qualidade” da Kaedim da Argentina, Indonésia, Etiópia e Espanha. Uma lista de empregos publicada no ano passado estava procurando candidatos para produzir imagens 3D de “baixa qualidade” 15 minutos depois de serem solicitadas por um cliente. Mais tarde, o CEO da empresa abordou essa questão em um post no Medium, dizendo que esses trabalhadores ajudam a treinar o algoritmo.


“Nossos membros da equipe 3D são realmente importantes para nós, pois trabalham lado a lado com nossos engenheiros de aprendizado de máquina para dar feedback sobre nossa tecnologia e garantir que todas as gerações se encaixem em nossos padrões de qualidade”, disse Psoma no post. “Eles garantem que nossos ativos não contenham falhas técnicas, inspecionam o nível de captura de detalhes de nossos algoritmos e ajudam com melhorias quando necessário.”





A Kaedim cobra até $US 1.000 por mês para clientes que desejam usar sua plataforma para criar imagens 3D, ou $US 150 por mês para 10 modelos. A empresa agora disse que reduziu o tempo necessário para gerar modelos 3D pela metade desde o ano passado. “Estamos melhorando nosso sistema a cada dia e almejamos uma liberação totalmente autônoma durante 2024”, disse a empresa. “Com um sistema de geração totalmente autônomo, poderemos fornecer planos que direcionem melhor o caso de uso do para diferentes perfis de consumidor.”


Algumas coisas nesta história merecem atenção. Primeiro, o fato da marca usar a "moda" da IA para tentar surfar uma onda. Curiosamente, ela poderia ter se posicionado como uma empresa com o diferencial humano combinado com IA. Segundo, o fato de explorar uma tecnologia só com termo de marketing (no sentido pejorativo). Ou seja, lançar o recurso de IA para vender mais, mas sem um benefício real ou um olhar de objetivo maior. Algo que aliás ocorre muito. Tendências e tecnologias são importantes, só não dá para esquecer da "causa" da marca. Do contrário, acontece o que aconteceu...uma empresa pegando carona, sendo descoberta e "queimando o próprio filme".




0 comentário

Comments


bottom of page