top of page

Rinaldo Coelho: Using photography (and restlessness) to highlight the beauty of simplicity

Atualizado: 25 de nov. de 2022






Leo Saldanha created original NFoTo content


Photographer Rinaldo Coelho (Rio de Janeiro) fell in love with photography very early in his life. Something was directly influenced by the camera that his father gave him. Rinaldo had previous experience in photography, shooting events, and, above all, artistic photography. Photography is part of the artist's life because of his concern to see beauty in everyday life.


Today, as a photographer with consistent experience in fine art and film analog photography, Rinaldo continues not only to shoot but also to be very focused on photography studies and projects.


More recently, he has delved into blockchain photography and experimented with artificial intelligence by making inventive reinterpretations of his own images. In the end, Rinaldo shows a facet of sensitivity and an ingenious mix of analog photography that now expands to NFTs and their infinite possibilities. Check out the interview!


Rinaldo Coelho is an NFoTo member and released the single edition as part of the NFoTo 1/1 initiative. The work Lost Childhood is unique, even though it is digital, and represents the artist's work and legacy very well.


NFoTo: How did you start in photography?

Rinaldo Coelho: "My background in photography goes back a long way, because my father, although he was not a professional, was passionate about photography."

I was a teenager, back in the mid-70s, and my father gave me his Yashica 6x6, which, in addition to 120mm film, also accepted 35mm film with the use of an adapter. I still have this camera and want to use it in the near future.

Regarding my experience, I only started to develop myself in photography when I started working and having my own income. That's when I was able to buy my first 35mm SLR camera, a Canon AE1 Program. Later I bought several lenses and another 35mm, also from Canon, and an A1.

With these two cameras, I tried to enter the world of event photography, like birthday parties and weddings, with the help of a friend who is also a photographer. However, my main job as an employee of a state-owned bank kept me busy and made it difficult to reconcile the two activities. I ended up favoring technology within the public institution, and photography definitely became a hobby.

But even as a hobby, I continued to develop my passion for photography and deepened my studies in the analog lab, developing black-and-white at home and even doing some freelance work in the world of visual arts and photojournalism.

I photographed musicians and visual artists to compose books and catalogs of works and some cultural events in Rio de Janeiro, such as Viva Rio with Betinho and Rio Cult in Rio Centro.

But what really launched me into fine art photography was participating in a joint effort in the Engenheiro Pedreira region of the municipality of Rio de Janeiro to help build the house of a very poor family that attended the church I belonged to. This family lived in a small favela (shanty town) in the middle of a garbage dump, and it was quite impressive to see the reality of that community.

I was able to photograph the people working while it was all happening in that environment, which generated the first material and later many others on the streets of Rio de Janeiro. All that work led me to my first exhibition, which was held at the Rio de Janeiro State Library in October 1996 and was called "A Força de um Detalhe."

I often say that this exhibition was my "genesis" as a photographer and opened my eyes to the possibility of developing artistic work.

At the time, I was starting to grow in the technology field, which led me to step away from the life of a professional photographer. I even received proposals from curators who saw possibilities in the type of work I did, but it was not possible to work on both activities.

As I said, even though I'm not working professionally, photography has always had a very special place in my life. And today I'm on my way to step away from the corporate world that I've been engaged in for about 35 years and finally focus on the art that I love so much.





NFoTo: What do you look for in the creative process, and what is special for you while creating in photography?

Rinaldo Coelho - I have a restless way of seeing the world. I am not satisfied contemplating something common without thinking, imagining, and trying to see it from another perspective. Yet the common beauty of many themes continues to dazzle me, no matter how commonplace they may be. The simple beauty of a flower seen up close, a sunset and sunrise contrasting with the green and relief of the mountains or a beach, classic and modern architectural aesthetics—all of this is sometimes just a glimpse in front of us, and we take it for granted and it becomes commonplace, but they have a beauty of their own that continues to delight and inspire us.

This is the starting point of my creative process and where all my motivation lies. looking at the ordinary and looking for something original and unique that enchants or excites me.

In the end, the force that drives me in photography is definitely curiosity. I want to discover something new—something that surprises me and captivates my attention and emotions. And in that sense, everyday scenes are also one of the themes that I most appreciate. Seeing people in common everyday situations and trying to capture the details that are overshadowed is a challenge I take on whenever I have a camera in my hands.




NFoTo: Why are you interested in NFT photography?

Rinaldo Coelho: "My biggest interest in photography is the image itself." From analogue photography to digital photography and reaching the present day with the NFT standard, everything revolves around the image and the pleasure of contemplating it.

In this sense, NFT is the natural evolution of film, photographic paper, fine art prints, raw files, and more.

I see in the NFT an embryo of something larger that has yet to be created or thought of, but it contains important elements that have the potential to revolutionize the entire photography and arts market in general.

It is important to understand that there is no NFT photograph; there is NFT that reproduces it. Photography will always be the protagonist, but it cannot stand alone and needs to be attentive to technological developments as well as ways of consuming art. Under penalty of reproducing historical errors, where in the past art itself was not considered art and today occupies spaces in museums, galleries, and public and private spaces along with paintings, sculptures, engravings, and many other forms of artistic expression,

As I am very involved in the technological environment, in a way, it was natural to envision the NFTs as a new dimension of photography, and this feels very natural. Although still very connected to analog, the infinity of possibilities that open up in the world of blockchains is enormous, and we still have no way of predicting where photography will go. Anyway, wherever she goes, I want to be there.

NFoTo: Regarding your work, 1/1 mintWhat can you tell about this NFT photo?

Rinaldo Coelho: "The work I chose for this single-edition collection was one of the images I took in 1996, and that was part of the exhibition I had that same year." This photo is a little different from the aesthetics and narrative that I tried to develop at the time, but it remains faithful to the facts, and even today, it brings deep reflections for us to think about.

It's a B&W photo on Ilford HP5 ASA 400 film. I used a Canon AE1 program with a Canon 70-210 f/4 aperture lens, and later I scanned it on a Microtek ScanMaker i900 at 3200 dpi.

The place, being inserted inside a slum surrounded by a garbage dump, had debris of all kinds scattered around. It caught my attention because it was a very common toy from my childhood that was partially burned and melted.

I also took advantage of a partially burned tree with a hole in its trunk and set up the scene with the toy inside the trunk. It seemed very meaningful and impactful to me. A toy that represents childhood that burned and melted inside a tree was also burned and destroyed by the fire that some humans set.




Children were playing in the same area, most likely with leftovers and garbage that had been discarded there. This toy may have been part of those moments. It's hard not to travel in the mind and think of other readings. A tree was burned by human hands, along with a toy also burned by man-made fire. There is much destruction of both material and immaterial goods, as well as hopes and lives.








NFoTo - You are working in NFT photography, but you also have a strong relationship with analog photography. What do you think of these different technologies? And how can they complement each other?

Rinaldo Coelho: "Analog photography helps me stay focused on what photography is." That is not to say that digital photography is not valuable; that is not my point. But the mass production of images has trivialized the act of looking and capturing something that is really worthwhile.

While using photographic film, I slow down and think about the image I am going to make. I think about the narrative I want to produce, and this whole process helps me think about why and what I photograph.




NFT is beyond digital photography. Some people believe that this technology and trend will eventually replace digital photography, but this is not the case.The NFT is beyond all that; it's much more than a photo, not only because it can also be video, music, documents, and other things that we haven't even imagined yet.

I envision a day when, to interact in the digital world, it will be mandatory to use some type of technology similar to what we now call NFT.

How can analog photography talk to NFT? Perhaps today we can ask the question in reverse. How can NFT talk to the physical, whatever it is? Perhaps with the "internet of things," this will start to make more sense, and then we will no longer ask how something physical like analog photography can be completed with NFT but how to do the opposite. Remembering that the physical world is where we, "carbon units," live, eat, work, have fun, and interact,

I am a photographer, and whatever technology is used, photography always comes first. The challenge is not to be consumed by technology. We are the protagonists, not the products.






NFoTo: What do you dream of for your career as a photographer?

Rinaldo Coelho: "My goal is to dedicate myself 100% to fine art photography in all dimensions that I can." From analog in galleries and museums to rooms, public and private environments, and virtual spaces, access today is still limited to a few due to the cost and technology that still has to evolve in some dimensions.

Today my work is very focused on the collection that I have and that I have produced over more than 40 years by clicking for life, but my goal is to go out in search of new images, new compositions, new horizons, and new styles, and who knows how to dive a little within trends such as artificial intelligence (AI) and image manipulation? I really like the abstract, and I have also worked as a collector of works and artists who, like me, have lived the transition from physical to digital.

In the meantime, I've been researching Augmented Reality (AR) technologies and attempting to find ways to integrate my work in this area, which I also believe is very promising and has enormous untapped potential.I'm a photographer, but I'm also an IT professional, and those are characteristics that can work together. Let's see how it goes.




NFoTo: Why should collectors look at Brazilian photography?

Rinaldo Coelho - I consider Brazilian photography a territory yet to be explored. Apart from some well-known figures due to their long history and involvement in social and ideological causes, we still have a huge space to grow and develop.

We have many photographers who need to be discovered or at least given a real chance to show their work. And in this respect, the NFT, or digital collectible, has a great role and potential to be developed and explored. On the one hand, while traveling and seeking to interact with other people and cultures can be difficult for us due to financial constraints, the world is just a few clicks away in the digital universe.

I think that much can still be thought of in terms of strategies and ways to leverage our photography. And investment from visionaries is essential to making that happen.

Rinaldo Coelho NFoTo 1/1 - lost childhood | Foundation


See also all his body of work and collections:



Follow the artist:








Portuguese version - Versão em português




Rinaldo Coelho: fotografia e inquietação para mostrar beleza na simplicidade


Um conteúdo original NFoTo - Por Leo Saldanha


O fotógrafo Rinaldo Coelho (Rio de Janeiro) se apaixonou logo cedo pela fotografia. Algo que surgiu da influência paterna. Aliás, uma presença que se faz presente até hoje na câmera que foi dada pelo pai. Rinaldo traz na bagagem experiências na fotografia profissional, eventos sociais e sobretudo na fotografia artística. A fotografia faz parte da vida do artista na inquietação em ver a beleza no cotidiano.

Aplicado como fotógrafo e com forte vivência na fotografia autoral e analógica, Rinaldo segue não só clicando, mas também aplicado aos estudos e projetos fotográficos. Mais recentemente ele mergulhou na fotografia blockchain e em experimentações com inteligência artificial fazendo releituras inventivas com as próprias imagens.

No fim, ele mostra uma faceta de sensibilidade e com uma mistura engenhosa de fotografia analógica e que agora se expande para os NFTs e suas infinitas possibilidades. Confira a entrevista


Rinaldo Coelho é membro NFoTo e lançou a edição única como parte da iniciativa NFoTo 1/1. A obra Infância Perdida é única mesmo sendo digital e representa muito bem a obra e o legado do artista.


NFoTo - Como foi seu começo na fotografia?


Rinaldo Coelho - Minha trajetória na fotografia é antiga, pois meu pai, embora não fosse profissional, era um amante fotográfico. Ainda adolescente, lá meados dos anos 70, ele me deu sua Yashica 6x6 que além de filme 120mm também aceitava 35mm com uso de um adaptador. Até hoje tenho essa máquina e pretendo utilizá-la num futuro próximo.


Mas de fato só comecei a me desenvolver na fotografia quando comecei a trabalhar e ter minha própria renda. Foi quando pude comprar minha primeira máquina 35mm SLR, uma Canon AE1 Program. Posteriormente comprei várias lentes e mais uma 35mm também Canon, uma A1.


Com essas duas máquinas busquei me inserir no mundo da fotografia de eventos como aniversários e casamentos com a ajuda de um fotógrafo amigo. No entanto, meu trabalho principal, funcionário de um banco estatal, começou a me ocupar bastante e dificultou conciliar as duas atividades. Acabei privilegiando a tecnologia dentro da instituição pública e a fotografia passou definitivamente a ser um hobby.

Porém mesmo como hobby eu continuei a desenvolver minha paixão pela imagem e aprofundei os estudos em laboratório, revelando p&b em casa e até fazendo alguns trabalhos freelance no mundo das artes plásticas e fotojornalismo.


Fotografei músicos e artistas plásticos para compor books e catálogo de obras e alguns eventos culturais no Rio de Janeiro, como Viva Rio com Betinho e Rio Cult no Rio Centro.

Mas o que de fato me lançou na fotografia autoral foi a participação em um mutirão na região de Engenheiro Pedreira no município do Rio de Janeiro de ajuda na construção da casa de uma família muito pobre que frequentava a igreja que eu pertencia. Essa família residia numa pequena favela em meio a um depósito de lixo e foi bem impactante ver a realidade daquela comunidade.


No meio da ação eu pude fotografar as pessoas trabalhando nesse ambiente, o que gerou o primeiro material, que com outros produzidos pelas ruas do Rio de Janeiro, deram lugar a minha primeira exposição, que foi realizada na Biblioteca do Estado do Rio de Janeiro em outubro de 1996 chamada “A Força de um Detalhe”.


Costumo dizer que essa exposição foi minha "Gênesis" como artista fotográfico e abriu meus olhos para a possibilidade de desenvolver um trabalho autoral.


Na época eu estava começando a crescer na área de tecnologia, o que me levou a me afastar da vida de fotógrafo profissional. Cheguei até a receber propostas de curadores que vislumbraram possibilidade no tipo de trabalho que eu fazia, mas não foi possível conciliar as atividades.


Como disse, mesmo não atuando profissionalmente, a fotografia sempre ocupou um lugar muito especial na minha vida. E hoje eu caminho para me afastar do mundo corporativo que estou engajado a cerca de 35 anos e finalmente focar definitivamente na arte que tanto me encanta.


NFoTo - o que busca no processo criativo e o que te move na fotografia?


Rinaldo Coelho - Tenho um olhar irrequieto. Não me satisfaço contemplando algo comum sem pensar, imaginar e procurar ver sob outra ótica ou perspectiva. Muito embora a beleza comum de muitos temas continua a me encantar sem importar o quão corriqueiro possa ser. A beleza simples de uma flor vista bem de perto, um pôr e nascer de sol contrastando com o verde e o relevo das montanhas ou de uma praia, as estéticas arquitetônicas clássicas e modernas, tudo isso às vezes passa por nossos olhos de forma corriqueira e se torna comum, mas possuem em si uma beleza própria que continua a nos encantar e nos inspirar.

Esse é o ponto de partida do meu processo criativo e onde reside toda minha motivação. Olhar o comum e buscar algo original, único, que me encanta ou emociona.


No final das contas o motor e a força motriz que me impulsiona na fotografia é definitivamente a curiosidade. Quero descobrir algo novo, algo que surpreenda e cative minha atenção e emoções. E nesse sentido cenas do cotidiano também são um dos temas que mais aprecio. Ver pessoas em situações comuns em seu dia a dia e tentar capturar os detalhes que ficam ofuscados é um desafio que me faço sempre que estou com uma câmera fotográfica nas mãos.


NFoTo - por que se interessou pela fotografia NFT?


Rinaldo Coelho - Meu maior interesse em fotografia é a imagem. Desde a fotografia analógica passando pela digital e chegando aos dias atuais com o padrão NFT, tudo gira em torno da imagem e do prazer de contemplá-la.


Nesse sentido, o NFT é a evolução natural do filme, do papel fotográfico, das impressões fineart, dos arquivos raw e outros. Identifico no NFT um embrião de algo maior que talvez nem tenha sido ainda criado ou pensado, mas traz em si elementos importantes que têm o potencial de revolucionar todo o mercado fotográfico e de artes no geral.


É importante entender que não existe fotografia NFT, existe NFT que reproduz uma fotografia. A fotografia será sempre a protagonista, mas sozinha não se sustenta e precisa estar atenta à evolução tecnológica bem como formas de consumir arte. Sob pena de reproduzir erros históricos, onde no passado ela própria, nem arte era considerada e hoje ocupa espaços em museus, galerias, espaços públicos e privados junto com pinturas, esculturas, gravuras e outras muitas formas de expressão artística.


Como estou inserido no ambiente tecnológico, de certa forma foi natural vislumbrar os NFTs como dimensão da fotografia e me sentir bem à vontade. Embora ainda muito ligado ao analógico, a infinidade de possibilidades que se abrem no mundo das BlockChains é enorme e não temos ainda como prever para onde a fotografia vai. De qualquer forma, para onde quer que ela vá eu quero estar junto.


NFoTo - Sobre a sua obra 1/1 mintada. O que pode contar sobre sua foto NFT?


Rinaldo Coelho - A obra que escolhi para essa coleção de edição única foi uma das imagens que fiz em 1996 e que fez parte da exposição que tive no mesmo ano. Essa foto foge um pouco a estética e narrativa que procurei desenvolver na época, mas continua fiel aos fatos e ainda hoje traz profundas reflexões para pensarmos.


É uma foto P&B em filme Ilford HP5 ASA 400. Utilizei uma Canon AE1 Program com uma lente Canon 70-210 f/4 de abertura, posteriormente escaneei num Microtek ScanMaker i900 em 3200 dpi.


O local por estar inserido dentro de uma favela cercada por um depósito de lixo tinha detritos de todos os tipos espalhados. Chamou minha atenção por se tratar de um brinquedo muito comum na minha infância que estava parcialmente queimado e derretido.

Aproveitei também uma árvore parcialmente queimada com um buraco em seu tronco e montei a cena com o brinquedo dentro do tronco.


Me pareceu bem significativo e impactante. Um brinquedo que representa a infância, queimado e derretido dentro de uma árvore também queimada e destruída pelo fogo que algum humano ateou.


Dei o título de “Infância perdida”.


No mesmo lugar existiam crianças brincando e que provavelmente brincavam com sobras e lixo que eram descartados no lugar. Esse brinquedo pode ter sido parte desses momentos. É difícil não viajar na mente e pensar em outras leituras. Uma árvore queimada pela mão humana junto com um brinquedo também queimado pôr fogo causado pelo homem. Muita destruição junta de bens materiais, imateriais, de esperanças e vidas.


NFoTo - Você está atuando na fotografia NFT mas tem forte relação com a fotografia analógica. O que acha destas diferentes tecnologias? E como elas podem se complementar?


Rinaldo Coelho - A fotografia analógica me ajuda a manter o foco no que é fotografia. Não que o digital não seja, não é isso. Mas a massificação na produção de imagens banalizou o ato de olhar e capturar algo que realmente valha a pena. Com um filme fotográfico eu desacelero e penso na imagem que vou fazer. Penso na narrativa que quero produzir e todo esse processo me ajuda a pensar no porquê e no que eu fotografo.


O NFT está além da fotografia digital. Alguns podem pensar que se trata de uma tecnologia e tendência que substitui a foto digital, mas isso não é verdade. O NFT está além disso tudo, é muito mais que uma foto, até porque pode ser vídeo, música, documento e outras coisas que nem imaginamos ainda.


Vislumbro um dia que para interagir no mundo digital será obrigatório utilizar algum tipo de tecnologia similar ao que hoje chamamos de NFT. Como a fotografia analógica pode conversar com NFT? Talvez hoje possamos fazer a pergunta ao contrário.


Como o NFT pode conversar com o físico, seja ele o que for? Talvez com a “internet das coisas” isso comece a fazer mais sentido e aí não vamos perguntar mais como algo físico como a fotografia analógica pode se completar com o NFT mas como fazer o contrário. Lembrando que o mundo físico é onde nós, “unidades de carbono” habitamos, nos alimentamos, trabalhamos, nos divertimos e interagimos.


Antes de fotografar em analógico, digital e NFT sou fotógrafo e a fotografia vem sempre em primeiro lugar seja qual for a tecnologia que esteja sendo utilizada. O desafio é não sermos consumidos pela tecnologia. Somos os protagonistas e não os produtos.


NFoTo - O que sonha para a sua carreira como fotógrafo?


Rinaldo Coelho - Meu objetivo é me dedicar 100% à fotografia autoral em todas as dimensões que eu puder estar. Do analógico em galerias e museus a salas, ambientes públicos e privados e espaços virtuais onde o acesso hoje ainda é limitado a poucos por conta do custo e da tecnologia que ainda tem que evoluir em algumas dimensões.


Hoje meu trabalho está muito focado no acervo que tenho e que produzi ao longo de mais de 40 anos clicando pela vida, mas meu objetivo mesmo é sair em busca de novas imagens, novas composições, novos horizontes, novos estilos e quem sabe mergulhar um pouco dentro de tendências como inteligência artificial (AI) e manipulações de imagem. Gosto muito do abstrato e tenho atuado também como colecionador de obras e artistas que assim como eu tem vivido a transição do físico para o digital.


Em paralelo tenho estudado tecnologias com Realidade Aumentada (AR) e tentando encontrar formas de integrar meu trabalho nesse segmento também que considero bem promissor e com enorme potencial ainda por desenvolver.


Sou fotógrafo, mas também sou um profissional de TI e são características que podem trabalhar juntas, vamos ver no que dá.


NFoTo - Por que os colecionadores devem olhar para a fotografia brasileira?


Rinaldo Coelho - Considero a fotografia brasileira um território ainda pouco explorado. Tirando algumas figuras já conhecidas por conta de sua longa trajetória e envolvimento em causas sociais e ideológicas, ainda temos um espaço enorme para crescer e nos desenvolver.


Temos muitos artistas fotográficos que carecem de serem descobertos ou pelo menos terem uma real chance de se mostrarem.


E nesse aspecto o NFT ou Colecionável Digital tem um grande papel e potencial a ser desenvolvido e explorado. Pois, se por um lado viajar e buscar interagir com outros povos e culturas podem ser complicados para nós por conta de questões de ordem financeira, no universo digital o mundo está a alguns clicks de distância. Acho que muito ainda pode ser pensado em estratégias e formas de alavancar nossa fotografia. E investimentos a partir de visionários é essencial para que isso aconteça.


Rinaldo Coelho NFoTo 1/1 - lost childhood | Foundation


See also all his body of work and collections:



Follow the artist:




Mostre sua fotografia para o mundo >>> NFoTo 1/1





0 comentário

Comentarios


bottom of page