top of page

O fascinante case da AURA na fotografia digital




Empresa de porta-retratos digitais acaba de receber aporte de 26 milhões de dólares. Uma marca que já conta com 3 milhões de assinantes e 1 milhão de porta-retratos digitais vendidos. O mais curioso é que é um negócio que foi fundado pelos primeiros funcionários do Twitter.





Aura é uma startup que produz molduras digitais e aplicativos de compartilhamento de fotos que também podem ser usados para atualizar as telas. Eu me lembro que nos anos 2000 esses produtos até fizeram algum sucesso e depois parecem ter perdido força conseguiu algum financiamento para expandir seus negócios à medida que se aproxima de três milhões de usuários de seu aplicativo e 1 milhão de quadros vendidos.


A empresa levantou US $ 26 milhões em um aporte que combina dívida e capital liderado pelo Lago Innovation Fund. O valor servirá para produzir mais porta-retratos e crescer em 2023. O fato é que tem muito mercado para eles crescerem. Basta pensar no tamanho dos Estados Unidos e em quantos outros milhões poderiam ter Aura em casa.





A empresa vem crescendo em um ritmo acelerado - 100% ano a ano pelo menos nos últimos três, com os usuários de aplicativos passando de 1 milhão em dezembro de 2021 para 2 milhões em setembro de 2022 e a caminho de atingir 3 milhões em janeiro de 2023. E minha percepção é que vão crescer muito mais até com potencial para expandirem globalmente. São vários modelos de porta-retratos. O Carver que custa 149 dólares é o best-seller.


O que é engenhoso no produto é que ele conecta as pessoas. Por exemplo, um porta-retrato Aura permite conectar até 4 pessoas e elas podem compartilhar fotos via app uma para as outras. Isso criou redes de memórias conectadas. O CEO e co-fundador Abdur Chowdhury comentou para TechCrunch disse sobre essa inovação: "os quadros da Aura normalmente têm cerca de quatro pessoas, em média, conectadas a eles para adicionar imagens, o que cria uma espécie de efeito de rede. Eventualmente, alguns desses usuários obtêm seus próprios quadros e constroem redes adicionais de colaboradores que enviam fotos para os novos dispositivos, e assim por diante. Ele acrescentou que seus dispositivos atualmente estão mostrando coletivamente cerca de 1 bilhão de fotos para as pessoas diariamente.


A matéria da TechCrunch indica ainda os ensinamentos que os fundadores tiveram nos tempos de Twitter.


Eles usaram os aprendizados no Twitter como um grande ensinamento: o uso da tecnologia para conectar as pessoas com informações e outras pessoas. Chowdhury tinha papel de grande importância no Twitter, ele foi o responsável pelo Trending Topics e outros recursos.


Quando ele o sócio (Eric Jensen) saíram do Twitter em 2011 foram atrás de novos desafios. Eles primeiro pensaram em criar um app fotográfico, mas notaram desafios no ambiente (Instagram despontava na época antes mesmo da compra do Facebook). Eles perceberam que uma rede menor e mais íntima que tivesse base em um equipamento faria mais sentido. E que um app poderia ajudar também. O que eles notaram é que as pessoas fotografavam muito com seus smartphones e as fotos ficavam esquecidas, daí surgia Aura.





Existiram desafios segundo a matéria da TechCrunch. Eles enfrentaram questões como monetização. Sem publicidade (passar propaganda no porta-retratos não é uma boa ideia) e acabaram usando o hardware como um conceito de usuário avançado. Em que o wi-fi teria um papel fundamental e que as pessoas conectadas só precisariam enviar as obras.


"Percebemos que poderíamos construir uma rede agradável e privada para fotos capturadas no aplicativo, mas vivendo de uma maneira perene no quadro que poderia trazer alegria", disse ele.





O nome original da empresa era Pushd. Chowdhury disse que isso ocorreu porque a startup queria contornar as notificações push para manter as pessoas conectadas – presciente, considerando que esse é o núcleo de como muitos aplicativos, incluindo os gostos do BeReal, lembram os usuários de se envolverem hoje. Chowdhury acrescentou que "muitos dos aprendizados de Pushd se formaram no que é Aura hoje". A startup foi renomeada antes do primeiro lançamento do quadro em 2016.


Abaixo destaco mais informações sobre a Aura neste modelo de negócio que saíram no artigo.





"Abrindo a caixa de sapatos digital"


Nestes dias de tablets e assistentes digitais com tela de vídeo em casa, pode parecer um pouco anacrônico se concentrar em um porta-retrato digital. Eles foram, afinal, alguns dos primeiros produtos digitais a entrar no ambiente doméstico. Em 2011, quando a Aura estava saindo do papel, já havia 12 milhões de quadros digitais vendidos, funcionando para 15% de todas as casas nos EUA.


No entanto, como Chowdhury e Jensen viram, estes produtos estavam rapidamente batendo em uma parede em termos de seu desenvolvimento: não apenas os smartphones e tablets estavam assumindo a experiência de tirar fotos digitais e consumo, mas os porta-retratos digitais eram desajeitados e fundamentalmente desconectados desses smartphones, dependendo de pen drives e outros meios para serem atualizados.


Mas os quadros não foram a única relíquia digital a bater na parede. As fototecas têm crescido exponencialmente em todo o mercado consumidor em geral. Em 2011, já havia cerca de 300 bilhões de fotos digitais tiradas em conjunto nos telefones, estimulando uma pergunta para os fundadores da Aura: "Como você volta a todo esse conteúdo?" Chowdhury perguntou.





Essa questão só se tornou mais persistente: a Apple disse em setembro de 2022 que mais de 3 trilhões de fotos foram tiradas em iPhones apenas em 2021. A proverbial caixa de sapatos de fotos que nunca conseguimos organizar de repente soa meio pitoresca.

Juntando isso, os fundadores da Aura viram que poderia haver uma abertura no mercado para um produto melhor, que funcionasse melhor com os dispositivos que agora estão sendo usados para capturar fotos, sem puxar os usuários nas diferentes direções (e diferentes pontos de preço) que os tablets fazem, e tornando mais fácil consumir e desfrutar das fotos que nós e outros tiramos.


Entre seus trabalhos, a Aura construiu seu próprio reconhecimento facial focado na privacidade (com base em metadados e não em rostos próprios) e algoritmos de visão computacional para criar clusters de imagens inteligentes, que ficam dentro de seus aplicativos. Ele está construindo uma melhor tecnologia de "digitalização" para capturar obras de arte e outros objetos bidimensionais que seus usuários podem querer ver exibidos em seus quadros. E a marca está trabalhando em maneiras de potencialmente adicionar colaboradores temporários, bem como mais compartilhamento entre grupos confiáveis, mas não necessariamente próximos, dentro do aplicativo que podem não estar conectados a um único equipamento.


"Como você torna mais fácil coletar e compartilhar fotos, digamos, de um casamento?", perguntou ele. "Além de seus amigos próximos e familiares, é tudo sobre a continuação de contar uma história, capturar essas fotos e vê-las em sua casa."

Descobri que a Aura está atualmente sentada em várias patentes, cerca de 50 quando você conta as emitidas e em andamento. Mas nem todos eles estão relacionados a molduras, compartilhamento de fotos e redes sociais; vários arquivados nos últimos dois anos estão relacionados à saúde e acompanhamento médico, em particular durante pandemias e epidemias.


Um dado curioso. Alguns anos atrás a Aura lançou um clube de impressão com porta-retratos. As pessoas compravam o porta-retrato comum e recebiam as fotos impressas todos os meses. Mas o modelo não vingou. Pelo visto a Aura é uma empresa 100% digital, quer dizer...quase isso. Pois conta com um porta-retrato na casa de milhares de pessoas para compartilhar fotos digitais de uma forma inovadora e inusitada.




0 comentário

Comments


bottom of page