top of page

BRIA: um gerador de IA que respeita os direitos autorais

A empresa israelense recebe US$ 24 milhões para gerar imagens com licença e evitar problemas legais


A BRIA, uma startup de geração de imagens de inteligência artificial (IA) que tem o apoio da Getty Images, anunciou na quarta-feira que levantou US$ 24 milhões em uma rodada de financiamento liderada pela Publicis Groupe, uma das maiores agências de publicidade do mundo.


A BRIA se diferencia de outras empresas de IA que usam conteúdo da internet sem permissão para treinar seus modelos. Ela licencia mais de um bilhão de imagens de 18 provedores de ações, como Getty, Alamy, SuperStock e Envato, e paga uma parte da receita para eles.


Essa abordagem evita o risco de violar os direitos autorais dos criadores de conteúdo, que têm processado empresas de IA que usam suas fotos, músicas e vídeos sem licença. Também garante que as imagens geradas pela BRIA não contenham elementos indesejados, como marcas registradas, que podem causar problemas para os clientes.

A BRIA atende clientes nos setores de publicidade, marketing e mídia, que buscam imagens personalizadas e de alta qualidade para seus projetos. A empresa disse que usaria o novo investimento para expandir sua presença global e desenvolver novos recursos, como geração de texto para vídeo. “Existe uma forma de fazer isso que é responsável e comercial”, disse o CEO da BRIA, Yair Adato, em entrevista à Reuters.


A Getty Images, que é uma das maiores provedoras de fotos do mundo, tem apoiado a BRIA desde 2022. Ela também tem parcerias com outras empresas de IA, como a Nvidia e a Adobe, para oferecer serviços de geração de imagens baseados em sua própria biblioteca.

A BRIA tem uma tecnologia que permite rastrear quais imagens licenciadas foram usadas para gerar cada imagem nova. Ela mostra aos clientes as fontes originais e a porcentagem de contribuição de cada uma.


Adato comparou o modelo da BRIA ao do Spotify, que paga aos artistas pela reprodução de suas músicas. Ele disse que a BRIA quer recompensar os proprietários de conteúdo pelo seu papel na habilitação da IA.


“Não queremos criar imagens que possam influenciar a opinião pública ou afetar a reputação de alguém”, disse Adato.

Ele também disse que a BRIA tem cuidado para não gerar imagens que possam ser enganosas ou prejudiciais. Por exemplo, o modelo da BRIA não pode gerar uma imagem do presidente dos EUA, Joe Biden, porque ele não foi treinado com sua aparência.


Faça parte do Fotograf.IA. Mais do que um ebook com grupo Vip, uma comunidade voltada para a revolução e o avanço da IA na fotografia. São mais de 15 horas de conteúdo em vídeo, ebook com quase 300 páginas e dois grupos com mais de 150 membros para acompanhar e interagir com IA na fotografia. Participe clicando aqui >>> Faça parte da iniciativa Fotograf.IA e turbine seu negócio e sua arte na fotografia


Quer se conectar com inovação na fotografia? Participe do grupo NFoTo >>> NFoTo: fotograf.IA, NFT e inovação


Precisando de ajuda com seu marketing na fotografia? Conheça o Novo Plano de Marketing 2024 >>> Plano de Marketing 2024 

0 comentário

コメント


bottom of page