10 mitos sobre marketing na fotografia

O primeiro mito é super comum: quem vive da fotografia não faz marketing





Depois de tantos anos acompanhando inúmeros perfis de negócios da fotografia fica fácil estabelecer ideias pré-concebidas sobre marketing no mercado. Separei três que vejo como muito comuns e talvez você se identifique.


1 – Eu não faço marketing – Pensar ou agir dessa forma é o mesmo que dizer: eu nem preciso atrair e manter clientes (que é justamente a definição do que é marketing). Então você faz sim mesmo que não seja de forma controlada e intencional. Ainda assim, a decisão de não fazer o marketing de forma estruturada indica para as pessoas algum posicionamento de mercado. Que provavelmente é tático e descontrolado.


2 – Arte e marketing não combinam – Curioso notar que grandes nomes da fotografia fizeram e fazem uso do marketing cada um do seu jeito. Talvez no Brasil a ideia de que as duas coisas não caminham juntas seja algo cultural. Marketing deve seguir ao lado da parte artística da fotografia. Aliás, o melhor caminho é transformar tudo na arte de fazer o marketing na fotografia. Os melhores fotógrafos olham para si próprios, têm posicionamento de mercado bem definido e separam ao menos 30% do tempo fazendo marketing em seus negócios de fotografia.


3 – Marketing e vendas são a mesma coisa – Não são. Por sinal, uma marca atraente vende mais fácil pelo valor que passa. Vendas responde ao marketing e tem gente que diz que o branding dita o marketing. O que se pensarmos em termos de posicionamento de mercado de uma marca faz todo sentido. Tudo leva a reflexão dos valores do seu negócio que começam por você. No que acredita, como se posiciona e como isso vai implicar no composto do marketing de uma forma geral (Produto, preço, divulgação e presença).


4 – O “fazer marketing” é algo pontual – Não é uma vez que você faz e deixa para lá. Trata-se de uma rotina, feita diariamente e de forma consistente. Com ajustes frequentes para que evolua para sempre valorizar sua imagem. Marketing é um exercício fixo de prática constante no seu negócio de fotografia. Não é sobre fazer na segunda e só voltar a ver de novo daqui uns dias. É um compromisso constante com o seu posicionamento de mercado.

5 – Eu não preciso de produto físico – Muito raramente um fotógrafo não terá produto físico. Sobretudo se você pensa em deixar um legado. E deixar algo para quem te contratou pede algo físico. Uma foto na parede, um livro, uma exposição, um mimo para aquele cliente especial. E valem ideias criativas de encaixar algo físico com foto mesmo para negócios da fotografia que seriam 100% online (como fotos de produtos, etc.). Sempre dá para surpreender e encantar os compradores, inclusive com uma lembrança impressa. E isso também é marketing. Nos segmentos de fotografia de família, casamento e afins…será muito difícil um negócio de foto se sustentar no tempo com valor de marca sem ter produtos físicos diferenciados.




7 – Só indicação já é o bastante – Talvez esse seja um mito que até pouco tempo atrás era uma verdade para muitos. Isso porque hoje a indicação pode e deve ser provocada usando justamente as ferramentas disponíveis. Ou seja, não basta receber a indicação, no mercado super competitivo que temos hoje é importante aproveitar para mostrar e facilitar esse boca a boca. Pense nisso.


8 – Vou fazer marketing digital e está tudo resolvido – esse é o paradoxo do marketing digital. Fazer tráfego pago ou usar truques e ferramentas sem nem ao menos pensar em estratégia. Se todos seguissem o mesmo caminho do marketing digital então teríamos o mercado perfeito e funcional para todos que tiverem condições de pagar para aparecer. Na prática sabemos que não é isso que ocorre. Marketing digital é fundamental, mas primeiro definir “o seu marketing” é muito mais importante pois envolve a decisão de objetivos. Onde você quer chegar com a sua fotografia?


9 – Marketing é sobre resultado rápido – Se fosse assim as marcas fariam campanhas só por um tempo e quando desse certo é só terminar com a divulgação. O fato é que atrair e manter clientes é trabalho recorrente e feito com consistências, acertos e uma obsessão pelo comportamento do cliente e aquilo que pode ser feito para ele.





10 – Existe “receita mágica” ou afins. Esse é um mito invencível. Volte e meia tem a bola da vez. Algo que vai mudar a sua vida e seu marketing com chamadas poderosas e promessas persuasivas. Ou envolve ferramentas que são as “bolas da vez” como Reels, TikTok, etc. O fato é que se fossem tão efetivas todos teriam os mesmos resultados e o mercado seria bem diferente. A verdade é que a grande fórmula ou o “pulo do gato” é sobre olhar para si próprio e fazer as perguntas difíceis. Poucos querem fazer e o resultado é o que vemos por aí. Importante: as receitas podem funcionar por um tempo, mas elas tendem a se desgastar e não levam a marketing de alto nível. Ou seja, nesse caso são pontuais.


11 é um bônus – Vão achar que estou só querendo vender…ou outros julgamentos do tipo que normalmente envolvem alguma visão negativa do próprio fotógrafo. E qual é o problema disso? não é um negócio de fotografia? Você vai atrair e manter clientes como se não aparecer? O fato é que marketing deixou de ser só sobre atrair e manter clientes. Pois envolve mudar a cultura, estimular pessoas e abraçar causas que possam ser valorizadas pela sua fotografia. No fim, fazer marketing hoje com essa pegada mais humana que mistura causa e fotografia é tendência e faz do marketing uma ferramenta generosa de mostrar o que você faz para o mundo.


Você não precisa fazer um curso, assistir uma palestra ou ler um livro sobre o assunto para aprender. A melhor forma de entender é começar a fazer. Faça isso, erre, aprenda, ajuste e se precisar de ajuda conte com o Plano de Marketing 2022. Saiba mais aqui: Eu Quero Meu Plano de MKT


Veja também>>> Confira os conteúdos da jornada do marketing na fotografia clicando aqui: Jornada do MKT






10 visualizações0 comentário