Quatro grandes tendências para a fotografia NFT

Conteúdo recente da 500px indica algumas tendências para o setor que vão muito além da tecnologia blockchain e da venda de ativos únicos digitais





Curiosamente essas transformações afetam todo o ambiente NFT além da fotografia. Veja as quatro tendências:


Utilidade - "Utilidade" no espaço NFT descreve essencialmente qualquer conjunto de "vantagens" que um colecionador recebe ao investir em um artista, além da propriedade da própria obra. Pode ser algo tangível, como uma obra de arte física, ou experiencial, como uma oficina ou evento. Fora do espaço fotográfico, uma ideia inovadora pode ser encontrada no Crypto Baristas, uma coleção NFT para os amantes do café. A propriedade de seus NFTs oferece descontos em cafeterias e lojas, café especiais e até uma viagem a uma cafeteria.


No ambiente da fotografia isso envolve acesso a obras físicas, colaborações artísticas e acessos exclusivos em eventos online e presenciais. Na verdade depende do artista em pensar em conceitos que envolvem "utilidade" muito além da obra que o colecionador adquire. Fotógrafos tem criado ações neste sentido. Com direito a produtos físicos sofisticados, acesso a festas e eventos, airdrops, impressões digitais e muito mais.


Clubes e comunidades - Os NFTs são valiosos, em parte, porque representam a propriedade sobre algo único ou raro. Pode não ser surpresa, então, que tenhamos visto o surgimento de "clubes sociais" de NFT, onde o token se transforme em um cartão de sócio. Os membros podem se conectar online, mas também pessoalmente, com tudo, desde experiências de restaurante até coquetéis.


Um exemplo bem conhecido é o Friends With Benefits, um clube com capítulos em Los Angeles, Nova York e Londres. Em outros lugares, no mundo da arte, uma das principais comunidades privadas até agora tem sido o Proof Collective, um grupo de mil artistas e colecionadores. Os titulares do NFT Coletivo de Prova têm acesso a uma um servidor exclusivo do Discord, eventos, colaborações e muito mais.


Outro projeto de destaque é o Collective Strangers, uma comunidade de mil amantes da fotografia, com a obra de arte da NFT originada do coletivo. Eles tomam uma abordagem totalmente nova para a construção da comunidade: os membros ganham entrada por possuir um "photo pass", o que lhes dá permissão para usar um aplicativo para fazer e fotos NFT. Em troca, eles têm uma imagem criada por outro membro.


O espaço NFT se move rapidamente, e é difícil prever o que acontecerá no futuro. Mas talvez possamos imaginar uma ideia semelhante quando se trata de coleta de arte, onde os detentores de tokens de um projeto de fotografia, por exemplo, poderiam ter acesso exclusivo a exposições de galerias ou estúdios abertos. Ou talvez uma NFT possa desbloquear o acesso a uma exposição de arte metaverso imersiva.


Edições - Aqueles familiarizados com a venda de impressões conhecem bem a ideia de edições, um número predeterminado de cópias disponibilizadas da mesma imagem. A decisão de converter em NFT seu trabalho como 1 de 1 algo que costuma encarecer a peça. Ou seja, tiragens super limitadas ou únicas também tem seu apelo. Recentemente, alguns fotógrafos também têm experimentado edições, o que poderia potencialmente abrir seu trabalho para uma base de colecionadores mais ampla.


Uma edição pode ser limitada a um número especificado (por exemplo, 20 cópias) ou aberta. Em abril, Isaac "Drift" Wright, conhecido como DrifterShoots, líder no espaço da fotografia NFT, lançou uma venda de edição aberta que durou 24 horas. A venda rendeu o equivalente a mais de US$ 6,8 milhões, com uma porcentagem indo para o The Bail Project, uma organização sem fins lucrativos para os necessitados.


Espaços Físicos - As comunidades da NFT podem começar online, mas também estão se expandindo para o mundo físico, dando aos artistas, colecionadores e fãs a chance de conhecer e sair "na vida real". Já o mundo da arte abraçou nfts, ao mesmo tempo em que sonha com novas maneiras de aplicá-los no "mundo real". Em maio, a plataforma NFT LaCollection, em colaboração com o Museu Leopoldo, revelou uma exposição pop-up com NFTs representando a obra do pintor expressionista austríaco Egon Schiele (1890-1918), incluindo uma pintura que foi recentemente redescoberta após 100 anos.A tendência é que vejamos cada vez mais colecionadores dos NFTs vendo trabalhos expostos em locais físicos. Haverá também eventos, passeios privados em museus e muito mais.

No estado de Washington, o Museu NFT de Seattle oferece um espaço permanente para a arte digital em um mundo físico, com exposições, workshops e eventos de conversão em NFT ao vivo. No espaço da fotografia, também, as principais vozes se expandiram para espaços irl, incluindo a plataforma NFT Quantum Curated, que tem uma localização comunitária em Los Angeles, e a Assembly, uma agência de artes e estúdio criativo com um espaço de galeria em Houston, Texas. Outros lugares como esses se expandem na Europa e na Ásia.


A tendência da fotografia NFT vai além da venda de obras digitais únicas e dá aos fotógrafos e artistas e marcas a chance de repensar modelos de negócio para uma nova fase do mercado e da própria internet que avança para o Web 3.0.


Se você tiver interesse em participar e entender melhor esse universo então participe do curso+comunidade NFT para Fotógrafos(as) clicando aqui: NFT para Fotógrafos(as)


Aliás, nesta terça (19) tem novo encontro ao vivo: NFT para Fotógrafos - A Nova Fase de Valor para Quem Vive da Fotografia - online - Sympla





0 comentário