O DESAFIO DO PREÇO NA FOTOGRAFIA

Precificar sempre foi um desafio. Fotógrafos e negócios de fotografia costumam criar isso com base na concorrência ou no achismo. Mas preço vai muito além disso


Preço é marketing. Nós formamos julgamento sobre eles o tempo todo. Isso aqui é caro e aquilo ali é barato. Essa aqui tem uma boa relação custo/benefício. E por aí vai. Existem várias formas praticadas no mercado fotográfico de formar preço. Fotógrafos costumam olhar para o que é praticado no mercado e vão para a estratégia do (ver no que vai dar). Aí entram questões como: se eu tiver começando vou fazer mais em conta. Se tiver poucas vendas vou acionar um desconto. Com a pandemia, os preços na fotografia foram obviamente impactados. Sobretudo na fotografia profissional. Alguns pontos merecem atenção:

  • Um preço que se ajusta ao consumo em queda. Esse é um desafio que já vinha de antes e que se acentuou na crise sanitária e econômica que estamos passando.

  • O novo consumo consciente ganha espaço e a oferta tem que ser ajustada de forma conveniente. 

  • O luxo segue com espaço, mas será que o consumo consciente vai afetar o setor? Parece certo que sim.  

  • Na nova realidade do mercado para fotógrafos ter uma estratégia de preços será oportuno. Com ofertas em coleções para todos os gostos. Claro, fazendo a conta direito. 

  • Ter produto vai ajudar a justificar o preço. Sem produto vai ficar complicado. 

  • Preço no novo marketing virou recorrência. Isso quer dizer: parcelar em muitas vezes? gerar assinaturas de serviços? Ter produtos e serviços que o cliente compre com frequência? A grande questão é: como é que o cliente vai comprar de mim muitas vezes e de forma recorrente. 

O preço deveria ser feito com um olhar de custos. Da parte fixa e variável. Envolvendo questões como “valor do equipamento”, depreciação, seguro, tempo e fornecedores. e são tantos fatores. Coloque aí a margem (lucro) e fazendo as contas na ponta do lápis talvez muita gente (alguns dirão a maioria) esteja pagando para trabalhar. Custo por clique, o seu valor por hora. E o álbum? Aquela foto impressa que foi dada de graça também deveria entrar na conta. Preço com base na comparação e no achismo é um caminho de erosão de valor no mercado fotográfico. Some a isso aquela tendência de entregar só fotos digitais e a receita para o desgaste financeiro está completa. Pois como é visto por aí, tudo o que é digital tende ao valor zero. O menor preço possível é uma corrida que segue acontecendo. Vemos por aí sessão de fotos newborn por poucos reais e em outros segmentos não é diferente. 


Infelizmente a minha constatação é clara: o preço vai continuar caindo. Talvez chegue em breve ao valor zero. E quando isso acontecer pelo menos será melhor do que o baratinho. Pois o de graça talvez gere algum valor melhor até subir de novo. 

Ok, o consumo mudou e fotografia não é item essencial. Se bem que família e momentos importantes familiares são. Então podemos nos ajustarmos, mexer na oferta e rever o que estamos propondo em termos de precificação. Só não faça isso com base “no dedo ao vento” para saber quanto cobrar por aí. Dito tudo isso, cansei de ouvir de alunos da ENF by Leo Saldanha, que preço é um problema. Daí surgiu a ideia de um app de preço: o primeiro do Brasil para você precificar do seu jeito certo e na palma da mão. Saiba mais: ImagePrice. 




0 visualização
CONTATO

São Paulo, SP

​​WhatsApp: 11-99123-4351

leo@fhox.com.br 

@leops - @enfbyleosaldanha

  • Preto Ícone Amazon
  • logo-whatsapp-fundo-transparente-icon
  • Preto Ícone LinkedIn
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Spotify
  • Preto Ícone Facebook

© 2020 por ENF by Leo Saldanha.