top of page

Mostra no Itaú Cultural revela as experimentações na fotografia de Claudia Andujar antes de sua dedicação exclusiva aos Yanomami

Inédita, a exposição percorre a produção da artista e revela como ela expandiu a linguagem fotográfica antes de se embrenhar em sua extensa obra realizada junto  a esse povo indígena


A mostra apresenta novo trabalho da fotógrafa. Aos 92 anos, ela fez uma releitura colorida da série O voo de Watupari, de 1976. É apresentada uma recomposição da instalação A Sônia, do mesmo período, quando foi exibida no Masp. Outras imagens, entre elas, de São Paulo, de pessoas homossexuais na ditadura, mulheres, sonhos e pesadelos compõem toda a mostra.


Quando o nome da fotógrafa é mencionado, automaticamente ele é ligado a seu grandioso e mundialmente conhecido trabalho sobre a nação Yanomami. Sem perder de vista essa produção, que se tornou um patrimônio iconográfico, a mostra Claudia Andujar – cosmovisão joga outras luzes sobre o percurso fotográfico seguido por ela entre as décadas de 1960 e 1970, até seu encontro definitivo com esse povo indígena.


A exposição entra em cartaz em 3 de abril e segue até 30 de junho nos pisos -1 e -2 do Itaú Cultural, com curadoria de Eder Chiodetto. Ela reúne mais de 130 trabalhos de Claudia, realizados durante seis décadas, desde que, fugindo do nazismo partiu da Hungria para os Estados Unidos. Depois de uma temporada naquele país, em 1955 ela desembarcou em São Paulo para encontrar a sua mãe e aqui viver até hoje (acompanhe a sua bio-cronologia aqui).


Entre os destaques da mostra, um novo trabalho seu: uma releitura colorida de O voo de Watupari, resultado da travessia que fez em 1976, ao lado do missionário Carlo Zacquini. Eles viajaram de São Paulo até a Amazônia a bordo de um fusca preto que os levou até os Yanomami. Também merece atenção especial, a instalação A Sônia, apresentada por ela em 1971 no Masp, em uma subversão do uso da projeção de slides – uma novidade na época. Aqui, a obra é exibida em releitura do artista Leandro Lima, parceiro de Claudia em outros projetos.





“Quando o Itaú Cultural me chamou para fazer essa mostra logo pensei em encontrar um recorte novo, já que convivo com Claudia faz tempo e conheço bem outras faces de sua obra”, conta Chiodetto. Segundo o curador, ao investigar a produção da artista mais a fundo, desde que ela chegou em São Paulo em 1955, ele se deu conta do seu importante papel para a experimentação e a expansão da linguagem fotográfica. “Ela teve forte influência, por exemplo, para que a fotografia entrasse nos museus como arte nos anos de 1970”, diz.


“Esta é uma exposição inédita. Tem foco nesse alto grau de experimentação pelo qual ela fez a fotografia passar. Fica claro que, como filha da geração de 68, rebelde e que repensa o mundo, Claudia sente necessidade de recriar a linguagem fotográfica para pode ser expressar”, continua ele. “Em nenhum momento de sua trajetória, nem quando trabalhou na revista Realidade, ela fotografou em um padrão documental tradicional”, completa.


Claudia fazia uso de filmes fotográficos infravermelhos, cromos riscados, filtros monocromáticos, imagens refotografadas com distorções e mutações de luzes e cores, justaposições e duplas exposições. Para Chiodetto, estas eram  estratégias para chegar à representação da percepção sensorial. “Isso permitiu que, anos mais tarde, a artista pudesse materializar em imagens a espiritualidade, a relação dos indígenas com as entidades e guardiões da floresta”, diz o curador. “Ela precisava que a fotografia atravessasse a superfície do real para representar de forma potente o lado de lá, o não visível. Só conseguiu isso justamente por essa experiência anterior de expansão da linguagem e possibilidades fotográficas.”


A exposição

As 135 obras de Claudia Andujar estão divididas em 11 séries, expostas em dois andares do espaço expositivo do Itaú Cultural.




0 comentário

Comments


bottom of page