top of page

Marcus Luconi: a legacy of photographic art

Atualizado: 18 de jan. de 2023

Luconi's extensive background includes fashion and advertising photography, but he is always drawn to fine art projects and artistic endeavors


Leo Saldanha created original NFoTo content


NFT Photo by Marcus Luconi


Marcus Luconi's photographic background, as well as his work, are distinct, as he comes from a long line of photographers. Luconi's extensive background includes fashion and advertising photography, but he is always drawn to fine art projects and artistic endeavors. One of his most notable series is Projeto Elemental, which was created at the end of the 1990s and is still as relevant today as it was then. Particularly when it comes to nature and people's interactions with the environment. Luconi is also involved in NFT photography, which is a new phase of photography technology. He recently debuted "The People of Sacred Valley," his first blockchain NFT photo project, in Peru. Luconi is also a Saatchi Art member, with works on display at the prestigious (and worldwide renown) art gallery.


View the NFoTo 1/1 The People of Sacred Valley artwork at OpenSea: The People Of Sacred Valley, Peru - Collection | OpenSea


In this interview, Luconi addressed his 40-year career and his vision for this new phase of NFT photography. Excellent reading!



Marcus Luconi


NFoTo - When did you first become interested in photography?


Marcus Luconi - Marcus Luconi - I come from a family of photographers; my paternal grandfather worked as a photojournalist in Brazil during World War I. He was tasked with photographing and filming Indians on the border between Mato Grosso and Paraguay.

To help support the family, all of his children took up photography.


My father was the youngest, and he was the one who taught me photography from the laboratory to shooting in the studio and outside; we lived in a small town in RS's interior until I was 16 years old.


When I was living in Florianópolis, South Carolina, in 1975, I decided to pursue a career in photography. I returned to Porto Alegre and began working as a photographer for the Folha da Tarde newspaper in 1976.


In 1979, I founded Kromak, which grew to become one of the largest photography firms specializing in fashion catalogues.


I worked as a photographer for Playboy magazine from 1993 to 2004.


In 1997, I founded the Elemental Project, whose guiding principle is the human element's relationship with nature. Humans and the Environment.



Marcus Luconi


NFoTo - What drew you to NFT photography? What are your thoughts on this technology?


Marcus Luconi - I believe that the NFT can provide the author with credibility and legitimate ownership, as well as enable the negotiation of photo art with the rest of the world, primarily collectors and galleries of photographic art. The lack of a physical component makes it much easier, especially in terms of economics.



Marcus Luconi


NFoTo - Can you tell us a little bit about the history of the first collection we'll be publishing?


Marcus Luconi - I was working with a fashion client in the Sacred Valley of Cusco, Peru. My style has always been to arrive ahead of the team, accompanied by a guide and the art director, which is how we completed the entire Sacred Valley itinerary. During my first encounter with the location, I noticed the people who work in their traditional attire, acting as models for the tourists who came to meet them. I was particularly interested in the women and children selling their images. They frequently employ pets, particularly alpacas. Beyond fashion work, this entire theme compelled me to document the history of these people who, through their colorful clothing, tell the story of a civilization. As a result, this project was born.


Marcus Luconi


NFoTo - What is your creative process like, and where do you find photography inspiration?


Marcus Luconi - I usually shoot art in places I enjoy and with people I like. There is a section that comes after planning, costumes, accessories, and make-up. Another aspect is that I am inspired by the environment and the character and begin to photograph.



Marcus Luconi


NFoTo - How is your presence at Saatchi Art?


Marcus Luconi - I began at Saatchi Art with an invitation to exhibit a portfolio; later, the process began to sell the photos as art. Because I had a lot of work on a daily basis, I didn't devote enough time to marketing, so I have few photos sold but a lot of views.



Marcus Luconi


NFoTo - What do you value most in photography? What gives you the most pleasure at work?


Marcus Luconi - What I like best, and what distinguishes me, is the light. My work is always distinguished by its use of natural, artificial, or a combination of the two. Production is another aspect of my work that I enjoy, and I never shy away from getting involved, as evidenced by the large number of photo essays and projects that I am currently working on and hoping to sell on the art market.

Today, I am pursuing this goal, paying close attention to the finalization quality, where I prioritize the fine art printing material, which is very rewarding.








NFoTo - How do you see the photography market's transformation over the last ten years?


Marcus Luconi - Over the past 50 years, there have been numerous transformations. I believe that the beginning of digital left a lot to be desired; from 2010 onwards, the quality was excellent, but medium format equipment and materials are prohibitively expensive and out of reach for most Brazilians.


I believe the digital "boom" is over, and photography as art is redefining itself.


It makes no difference whether it's digital or analog; it all ends up in the same place. Any color or black-and-white film photograph must be digitized, scanned, or reproduced with a digital camera. In my case, because I have a large number of images on film, I have been reproducing them, including changing the concept of light, because the photographic transparency could be illuminated in a variety of ways.



Marcus Luconi


NFoTo - Do you believe NFT photography will continue to advance in the market?


Marcus Luconi - The NFT, in principle, is here to stay; it's complicated, but it should adapt and become more natural over time. The fact that ownership is guaranteed is excellent.



Marcus Luconi


NFoTo - The Brazilian photography scene is full of talented people like you. Why don't we have the international recognition we deserve?


Marcus Luconi - To begin, I believe it is critical in the arts world to recognize someone of credibility who presents, recommends, or purchases the artist's work. The other option is to fight, which I have always prioritized in my life and which I am now reinforcing through NFT photography. Furthermore, I highlight opportunities that come my way, and if they don't, I don't hesitate to pursue them.


Marcus Luconi


NFoTo - What does the future hold for you as a legacy of your brand?


Marcus Luconi - My children were not keen on photography; my hope is to turn what I've already done into art; who knows a brand with my name so it doesn't get lost?


Luconi has already made plans to return to the valley. In addition, a portion of the sales from the launch of the NFT collection will be donated to those in need in the region. Something very current and completely related to the "utility" factor of NFTs. This is a trend, to connect art with benefits and causes that matter. Luconi is clearly moved by this aspect of technology, which now allows him to create artistic photographs while also contributing in some way to the causes in which he believes. A purposeful, one-of-a-kind, and digitally valued photograph.



website - Marcus Luconi









Portuguese version - Versão em português




Marcus Luconi: um legado na arte da fotografia



Marcus Luconi


Vindo de uma família de fotógrafos, a história de Marcus Luconi com a fotografia tem uma narrativa única, assim como sua obra. Com vasta experiência, Luconi traz na bagagem a fotografia de moda e publicitária, mas sempre conectada com projetos autorais e foco artístico. Uma das séries marcantes de sua carreira é o Projeto Elemental, criado no fim dos anos 1990 e que segue tão atual quanto naquele momento. Sobretudo por tratar da questão da natureza e da conexão das pessoas com o meio-ambiente. Conectado a nova fase da tecnologia, Luconi também está na fotografia NFT. Recentemente ele lançou sua primeira obra blockchain com uma série “The People of Sacred Valley” no Peru. Luconi também faz parte da Saatchi Art com obras disponíveis na renomada galeria de arte.


Luconi contou nesta entrevista sobre sua carreira de mais de 40 anos e sua visão sobre essa nova fase da fotografia NFT. Boa leitura!



Marcus Luconi

NFoTo - Como começou na fotografia?


Marcus Luconi - Sou de família de fotógrafos, meu avô paterno veio de Roma, Itália, para o Brasil, como repórter fotográfico, durante a primeira guerra Mundial. O trabalho dele era fotografar e filmar índios na fronteira do Mato Grosso com o Paraguai.

Todos os filhos dele passaram a fazer fotografia para sustento da família.

O meu pai era o mais novo, foi com quem aprendi a fotografia desde o laboratório até o fotografar em estúdio e externa, morávamos em uma pequena cidade do interior do RS, até meus 16 anos.


Em 1975, quando morava na cidade de Florianópolis, SC., decidi, em definitivo, trabalhar com fotografia. Retornei a Porto Alegre e em 1976 comecei a trabalhar como fotógrafo no Jornal Folha da Tarde.


Em 1979, comecei a Kromak, vindo a ser esta, uma das maiores empresas de fotografia, especializada em catálogos de moda.


Do ano de 1993 a 2004, trabalhei como fotógrafo para a revista Playboy.


Em 1997, criei o Projeto Elemental, que tem como princípio a relação do elemento humano e a natureza. The Human and Environment.





Marcus Luconi



NFoTo - o que te levou para a fotografia NFT? O que acha da tecnologia?


Marcus Luconi - Acredito que o NFT, possa dar a credibilidade e legítima propriedade para o autor, assim como possibilitar a negociação de foto arte com o mundo, principalmente aos colecionadores e galerias de arte fotográfica. O fato de não ter a parte física facilita muito, principalmente no que se refere à questão econômica.


NFoTo - Conte um pouco sobre a história da primeira coleção que vamos publicar?


Marcus Luconi - Estava no Vale sagrado, Cusco, Peru, trabalhando com um cliente de moda. O meu estilo sempre foi de chegar antes da equipe, com um guia e o diretor de arte, e assim fizemos todo o roteiro do Vale Sagrado. Neste primeiro contato com o local, reparei as pessoas que trabalham com suas roupas típicas servindo como modelo aos turistas, que veem ao seu encontro. Em especial observei as mulheres e crianças que estão ali para venderem a sua imagem. Muitas vezes elas utilizam também animais de estimação, principalmente a Alpaca. Toda esta temática me sensibilizou, para além do trabalho de moda, registrar a história dessas pessoas que com suas roupas coloridos contam a história de uma civilização. Assim nasceu este projeto.


NFoTo - Qual é seu processo de criação e onde busca inspiração na fotografia?

Marcus Luconi - Normalmente fotografo arte onde gosto, e com quem escolhi para ser modelo. Tem uma parte que segue um planejamento, figurino, acessórios e make-up. Outra parte, me inspiro com o próprio ambiente e personagem e começo a fotografar.




Marcus Luconi

NFoTo - Como é sua presença na Saatchi Art?


Marcus Luconi - Comecei na Saatchi Art, em 1995, era convite para expor portfólio, mais tarde começou o processo para vender as fotos como arte. Como tinha muito trabalho no dia a dia, não me dediquei o suficiente para o marketing, por isso tenho poucas fotos vendidas, mas tenho muita visualização.


NFoTo - O que mais aprecia na fotografia? O que te dá mais prazer no seu trabalho?


Marcus Luconi - O que mais gosto, que é a minha característica, é a luz. Natural, artificial ou mesmo a mistura de ambas, sempre é a grande marca do meu trabalho. A produção também é uma etapa do trabalho que gosto muito e não abro mão de me envolver, daí o grande número de ensaios e projetos fotográficos que hoje busco finalizar e comercializar no mercado de arte.

Hoje busco tal objetivo atento a qualidade da finalização onde priorizo o material de impressão fine art, o que é muito gratificante.


NFoTo - Como vê toda a transformação do mercado da fotografia nos últimos 10 anos?


Marcus Luconi - Desde que comecei sempre teve muitas transformações, fazem mais de 50 anos. Acho que o início do digital deixou muito a desejar, a partir de 2010, a qualidade ficou ótima, mas os equipamentos e materiais de médio formato, são absurdamente caros e fora da realidade brasileira.


Acho que o “boom” do digital está passando e a fotografia como arte está redefinindo o seu lugar.


Não importa se é digital ou analógico, acaba tudo no mesmo lugar. Qualquer foto realizada em filme, cor ou P & B, vai ter que ser digitalizada, scanneada ou reproduzida com câmera digital. No meu caso, que tenho muitas imagens em filme, tenho feito reproduções, inclusive mudando o conceito da luz, porque pôde-se iluminar a transparência fotográfica de muitas maneiras diferentes.



NFoTo - Acredita que a fotografia NFT vai avançar mais no mercado?


Marcus Luconi - O NFT, em princípio veio para ficar, está complicado, mas deve se ajustar e ficar mais natural com o tempo. O fato de dar a garantia de propriedade é muito bom.


NFoTo - A fotografia brasileira conta com grandes talentos como você. Por que ainda não temos tanto reconhecimento internacional como deveríamos?


Marcus Luconi – Em primeiro lugar acredito que no mundo das artes é fundamental o reconhecimento de alguém de credibilidade que apresente, indique ou compre arte do artista. O outro caminho, é batalhar, o que que sempre priorizei em minha vida e hoje reforço meu movimento internacional através da fotografia NFT. No mais, destaco as oportunidades que chegam, e se não chegarem, no meu caso, não hesito em ir atrás.


NFoTo - O que espera para o futuro como legado da sua marca?

Marcus Luconi - Meus filhos, não seguiram a fotografia, o que espero é transformar em arte o que eu já fiz, quem sabe uma Grife com meu nome para não se perder?


Luconi já tem planos para retornar ao vale. Aliás, parte da renda com as vendas da coleção NFT lançada será revertida para ajudar as pessoas que vivem na região. Algo muito atual e com total relação com o fator “utilidade” dos NFTs. Essa é uma tendência, inclusive, de conectar arte com benefícios e causas atreladas. Luconi mostra-se empolgado justamente com essa faceta da tecnologia, que agora permite criar fotos artísticas e ao mesmo tempo poder contribuir de alguma forma para as causas que os fotógrafos acreditam. Uma fotografia com propósito, única e com valor mesmo sendo digital.





website - Marcus Luconi





0 comentário

Comentarios


bottom of page