top of page

Inteligência artificial: Adobe Firefly entra em nova fase expandida fora da versão "Beta"

O Firefly é um modelo de inteligência artificial que gera imagens e textos a partir de descrições simples, respeitando os direitos autorais e oferecendo transparência. Depois do período de testes, IA da Adobe foi expandida comercialmente nos diferentes produtos da marca



O Firefly da Adobe vem chamando a atenção de todos desde que foi revelado em março. Para quem não sabe, ele é a solução “ética” da gigante da tecnologia criativa para as ferramentas de arte generativa que têm surgido ultimamente. O modelo de inteligência artificial é treinado com ativos do Adobe Stock, além de imagens de domínio público e licenciadas abertamente, livrando a entrada e a saída de conteúdo de preocupações com direitos autorais.


Graças à sua natureza respeitosa, os usuários passaram a confiar nas capacidades do Firefly. Como resultado, mais de dois bilhões de imagens foram geradas enquanto o motor estava em fase beta. O Firefly também suporta mais de 100 idiomas, então ele é capaz de entender e processar solicitações de clientes de todo o mundo.




Agora, depois de uma rodada de testes “sem precedentes”, o Firefly está pronto para decolar em um lançamento oficial, permitindo que qualquer coisa gerada por esse modelo seja usada comercialmente. Com a disponibilidade comercial, os usuários poderão gerar ativos no Firefly usando novos ‘Créditos Generativos’ armazenados em suas assinaturas do Creative Cloud, Express e Experience Cloud.


Como a arte gerada por IA requer um grande poder de computação para ser criada, a Adobe está pedindo aos usuários que usam o Firefly que paguem por ele com uma certa quantidade de créditos gratuitos que são renovados a cada mês. Até agora, a Adobe está cobrando 1 crédito por imagem. Há uma pequena exceção: se você usar a IA para gerar Efeitos de Texto, você poderá usar o Firefly gratuitamente por um número ilimitado de vezes até 1º de novembro, quando o sistema de créditos entrará em vigor.





Depois que os Créditos Generativos inclusivos forem usados, os assinantes poderão comprar pacotes adicionais a partir de US$ 4,99 por mês para 100 créditos para um fluxo de trabalho sem interrupções. Alternativamente, eles podem continuar gerando imagens e efeitos de texto sem custo, mas em velocidades mais lentas.


O Firefly está integrado ao Photoshop por meio de um recurso chamado Generative Fill, que permite aos usuários criar e pintar sobre gráficos usando simples prompts de texto, e Generative Expand, que expande as cenas além de seus quadros.






No Illustrator, ele alimenta o Generative Recolor, a habilidade de criar paletas para vetores em questão de segundos.


Com o Adobe Express, o aplicativo criador e editor tudo-em-um da empresa, alimentado por inteligência artificial, para usuários de todos os níveis de experiência, os clientes podem criar imagens e efeitos de texto usando descrições simples via Firefly.


Além disso, “para possibilitar um amplo acesso aos fluxos de trabalho de IA generativa, os planos pagos do Creative Cloud agora incluem o novo aplicativo web Firefly, um playground para explorar a expressão criativa assistida por IA, e o Express Premium, o aplicativo de criatividade tudo-em-um com novos recursos generativos de IA Texto para Imagem e Efeitos de Texto que tornam rápido, fácil e divertido projetar e compartilhar posts nas redes sociais, vídeos, imagens, PDFs, flyers, logos e muito mais”, diz a Adobe.


O nível Adobe Firefly for Enterprise também está “agora disponível para as empresas implantarem com confiança conteúdo gerado por IA”, anuncia a empresa. Além de poderem gerar imagens baseadas no Adobe Stock, em conteúdo licenciado abertamente e de domínio público, os clientes corporativos poderão em breve treinar seus modelos estendidos com ativos da marca. Além disso, uma nova plataforma para empresas, chamada Adobe GenStudio, impulsiona seus esforços em IA generativa ao possibilitar “a idealização, criação, produção e ativação de conteúdo”.


A Adobe tem sido bastante confiante de que o conteúdo gerado pelo Firefly não vai infringir nenhum direito autoral alheio, e até promete indenizar os usuários que acabarem sendo processados por violação de direitos autorais. Para mais transparência, porém, ela anexa Credenciais de Conteúdo - ou um “rótulo nutricional digital”, como ela os chama - aos metadados dos ativos gerados pelo Firefly, para que as pessoas saibam se uma imagem foi criada por um humano ou por IA.



“Com mais de dois bilhões de imagens geradas durante a fase beta, o Adobe Firefly está inaugurando uma nova era de expressão criativa para clientes de todos os segmentos”, compartilha David Wadhwani, presidente da Digital Media Business da Adobe. “As capacidades impressionantes do Firefly combinadas com as ricas ferramentas de nossos aplicativos Creative Cloud, Express, do aplicativo web Firefly e do Adobe Experience Cloud, dão aos criadores oportunidades incomparáveis de trabalhar com IA generativa de novas formas, ricas e produtivas.”


0 comentário

댓글


bottom of page