top of page

A arte da inteligência artificial desafia os limites da fotografia

Uma artista sueca vence o primeiro prêmio de arte de IA do mundo com uma imagem surreal criada por computador, provocando um debate sobre a autenticidade e a ética das imagens geradas por IA

Annika Nordenskiöld, uma artista sueca que usa inteligência artificial para criar imagens realistas de cenas imaginárias, foi a vencedora do primeiro prêmio de arte de IA do mundo na Ballarat International Foto Biennale com uma imagem que mostra irmãs gêmeas abraçando um polvo gigante.

A imagem vencedora, intitulada Twin Sisters in Love (2023), foi criada usando o programa de IA Midjourney, que gera imagens a partir de prompts de texto. Nordenskiöld disse que ela vê a IA como um colega com quem ela colabora, e não como uma ameaça à sua criatividade.

“Nenhum desses lugares, pessoas ou criaturas existe no reino físico”, disse a artista, que recentemente teve uma exposição em Estocolmo chamada We don’t exist, e está prestes a publicar seu terceiro livro usando a mesma técnica. “Muitas pessoas dizem que minhas fotos as deixam desconfortáveis… Quando explico que a IA as cria como uma espécie de colagem… muitos riem, outros ficam angustiados e acham nojento”, disse ela.

O prêmio inaugural de IA, chamado Prompted Peculiar, é uma iniciativa inédita para um festival internacional de fotografia, e tem como objetivo abrir um debate sobre a diferença entre fotografia e o que os organizadores chamam de “promptografia”.

O termo foi cunhado este ano pelo fotógrafo e jurado alemão do festival Ballarat Boris Eldagsen, que recusou o primeiro prêmio na categoria criativa aberta dos Sony World Photography Awards porque a sua imagem “O Eletricista” foi gerada por IA e, nas suas palavras, “não era fotografia”.

“Na época, eu era considerado um incendiário no mundo da fotografia ao abrir essa conversa sobre ‘promptografia’, mas agora sou visto como o Che Guevara dos fotógrafos analógicos e como abordamos o elefante na sala – imagens geradas por IA”, disse ele. Eldagsen disse que a tecnologia da IA mudou radicalmente a forma como as imagens são produzidas e consumidas, e que é preciso questionar a autenticidade e a veracidade das fotos na era digital.


“Agora, a posição padrão para quando você olha para fotos on-line será assumir que elas são geradas artificialmente – raramente são verificadas … o que representa um problema para editores de imagem, fotógrafos, desenvolvedores, especialistas em IA e consumidores de mídia social em todo o mundo.”

Eldagsen sugeriu que um código de ética para fotógrafos com talvez marcas d’água para garantir a autenticidade das fotos pode ser necessário. Ele também defendeu uma mesa redonda internacional sobre fotografia para discutir as implicações da IA para a cultura visual.

“Um fotógrafo sai pelo mundo e fotografa o que vê por acaso em um determinado lugar, mas hoje em dia, um ‘promptógrafo’ pode ficar em uma sala escura e criar uma imagem gerada por computador. Ver não é mais acreditar que é real”, disse.

A advogada Alana Kushnir, que ajudou a elaborar os termos e condições do concurso que atraiu inscrições de todo o mundo, disse que foi uma iniciativa corajosa em nome de um festival de fotografia se envolver com IA.

"Não temos muita orientação quando se trata de lei nesse espaço. Tivemos que nos perguntar, a partir de uma posição de história da arte, qual é a diferença entre uma foto e uma imagem.Há paralelos com quando a câmera foi inventada pela primeira vez – os artistas se sentiam ameaçados. Levará tempo para que os termos em torno de TI e IA se alinhem melhor”, disse Kushnir.




A CEO da Ballarat International Foto Biennale, Vanessa Gerrans, que foi acompanhada no painel de jurados por Una Rey, editora da revista Artlink, disse que o prêmio de IA também levanta questões sobre direitos morais e consentimento.

“Há claramente questões não resolvidas em torno de direitos morais e consentimento, essas são as conversas que precisamos começar a ter para que possamos ter certeza de que estamos preparados e agindo de forma ética e responsável”, disse Gerrans.

Como a nova tecnologia impacta a cultura visual, Prompted Peculiar é um convite para debater onde essa nova arte da “promptografia” pertence, disse ela no final de um fim de semana de fóruns públicos em Ballarat, que cobriram esses tópicos.

A propósito, se você quer dar os primeiros passos com IA na fotografia, conheça e adquira o Guia Fotograf.IA. Saiba mais aqui >>> Fotograf.IA



0 comentário

Comentários


bottom of page