Os desafios no marketing para quem atua na fotografia de família

Um mercado do tamanho do Brasil que é ao mesmo tempo complexo e repleto de oportunidades e desafios. Entenda como um plano de marketing pode ajudar





O maior mercado? - Na teoria, o segmento de fotografia de família é um dos maiores do Brasil. Afinal, todo mundo tem uma. Sobretudo quando levamos em conta um conceito mais amplo que seja ao mesmo tempo diverso e moderno. Pois uma família pode ser formada só por amigos, uma pessoa que vive só com seus pets ou se ampliar nas inúmeras possibilidades conhecidas nas mais variadas frentes demográficas e sociais. Quando o assunto é fotografia vale também termos um olhar mais aberto da definição do que é fotografia de família.


Por um conceito mais amplo - Na minha visão, um fotógrafo ou fotógrafa de família pode atuar em inúmeras frentes de trabalho. Especialmente em tempos de crise em que não podemos dizer não para o trabalho. Ainda bem que o mercado da fotografia de família traz um portal flexível e conectado para atuar. Pois família é festa de aniversário, batizado, bodas, pet, gestante, parto e outras áreas laterais. Quase sempre ela ganha valor quando está conectada com momentos marcantes para a família. O primeiro aniversário, os primeiros dias de vida, o nascimento. A chegada em casa do filhote de gato ou cão (ou seria outro pet?). Ou seja, são as ocasiões valiosas que geram oportunidade para clicar ou filmar. Com tantas possibilidades parece natural que vejamos tanta confusão no posicionamento e na forma de atrair e manter clientes dentro do segmento.





As vantagens da fotografia de família - A grande vantagem é que se você fizer um trabalho bem feito terá clientes por muitos e muitos anos. Eles vão te indicar para outras pessoas da “família” e amigos. Eles vão retornar para as ocasiões especiais e talvez pensem em você para situações que pedem um fotógrafo. Até porque aquelas pessoas da família têm ocupações que podem precisar de fotos para seus negócios e ofícios (e você diz sim para esses pedidos sem precisar mostrar que faz foto de produto para um cliente de família que pediu um orçamento para esse serviço fora do seu escopo). A grande vantagem da fotografia de família é a recorrência e esse poder de indicação. O valor deste cliente no tempo é coisa valiosa mesmo. Lembro de fotógrafos(as) que atendem diferentes gerações da mesma família. É oportunidade de sessão, de produtos e afins. Ser fotógrafo ou fotógrafa da família daquela família é mais bonito falado ou escrito do que feito. Envolve confiança, consistência e intimidade construída no tempo. Para quem começa e quer resultado em 1 ano não recomendo esse ramo. Agora se tiver paciência e fizer bem feito, não tem marketing melhor do que a indicação dos próprios clientes. Curiosamente, os melhores do mercado vivem de indicação e ela costuma representar 70% ou mais do marketing na fotografia de família.


A grande desvantagem da fotografia de família - é a crise ou tentar nichar de tal forma que inviabilize o negócio. De ficar preso em um estilo que não abre espaço para atender mais nichos que estão conectados. Exemplo: é fotógrafa de gestante e não faz parto. É fotógrafa newborn e não faz acompanhamento ou aniversário. Em tempos de crise, deixar isso de lado me parece dizer que você não é da família, mas de um pedaço dela. Eu sou a fotógrafa do seu bebê e depois é por sua conta como será o crescimento da criança e outras datas marcantes da sua família. O oposto talvez também seja complexo. No sentido de que alguém que se apresenta como da família de forma muito ampla e começa a pegar muitos trabalhos do mesmo universo possa ficar sobrecarregada e não conseguir se posicionar bem frente a variedade de nichos da fotografia de família. Outro desafio da fotografia de família é não entender que você não vai poder atender todo mundo que tem família. Isso na prática representa fazer escolhas: quais os clientes e seus perfis que você vai atender de forma mais definida. Quem são eles? onde moram? no que acreditam e como você vai se aproximar e gerar indicação a partir deles?


Esse desafio de fazer escolhas e responder “para quem é?” É a parte mais importante para acertar seu negócio e fazer um marketing efetivo. Junto com essa resposta vem outra: O que eu acredito e o que me move na fotografia? O como você vai impactar porque sabe exatamente qual a sua causa neste negócio (uma dica: não é sobre eternizar momentos porque isso todo mundo diz).


O marketing para fotografia de família movimenta uma indústria de produtos e conhecimento com cursos, conteúdos, congressos e impressões. Contudo, o que vimos nos últimos anos foi uma confusão de métodos e vendas de sonhos, quando na realidade a pessoa interessada em atuar no mercado não parece ter parado para refletir sobre a parte mais importante para viver da fotografia: o que eu quero? o que acredito? e como vou fazer para conseguir? É uma abordagem mais tortuosa, cansativa e certamente envolve um choque de realidade…talvez por isso vemos tanta gente que continua preferindo fórmulas prontas ou atalhos ilusórios que não garantem consistência. O marketing para a fotografia de família existe e está aí a poucos cliques na busca do Google ou de um anúncio ou postagem de impacto nas redes sociais.


Em novembro passado lancei o Plano de Marketing. De lá para cá notei dois perfis… o das pessoas que querem a receita pronta (como sempre) e o das pessoas dispostas a responder perguntas difíceis e a criarem o marketing com a cara delas. Isso envolve um compromisso delas com elas mesmas. Não é mero acaso que são justamente as do último grupo que costumam se sobressair no mercado.


Precisando de ajuda com seu marketing e está disposto a se comprometer de verdade com seu negócio de fotografia? Então clique aqui: Eu Quero Meu Plano de Marketing.






17 visualizações0 comentário