top of page

Karla Noronha's sensitive vision and creative strength

Leo Saldanha created original NFoTo content




Karla Noronha is a multidisciplinary artist from Brazil. She is a photographer, artist, designer, educator, and entrepreneur. In her art, she creates touching, sensitive projects with her own take on current issues. Communication is a part of the artist's daily routine. Crato, Ceará, Brazil is where he was born. Karla currently resides and works in João Pessoa, Paraíba, Brazil. She has a master's degree in communication from the Federal University of Paraba, is a Graphic Design student at the IFPB, has worked as a teacher at the UFPB and FPB in Social Communication courses, has been a photojournalist and has taught photography courses at PRONATEC, and has taught a course and a photography workshop at SENAC/PB.


Karla believes in the power of this new phase of web3. What, in her opinion, is about communities, collaboration, and the importance of causes that make a difference in the lives of artists and people. Art is a part of your life. With awards and participation in numerous exhibitions, Karla creates fine art photography, always looking to record and develop projects with cultural manifestations, street photography, artistic and self-portrait themes. She is part of a photographic collective Brincantes de Imagens, where she conducts research as well as individual and collective photographic production.


She has been involved in blockchain photography since 2022, with NFT collections and works. During this conversation, she discussed her worldview, art, and her new phase in blockchain photography. Excellent reading.


View the NFoTo 1/1 Harmonia on Nano NFT marketplace: Harmonia - 3 (nftnano.art)



NFoTo - What inspired you to pursue photography? Tell us about your experience.


Karla Noronha - After finishing my master's degree, I felt the need to work more independently, which led me to photography. I had developed an interest in photography while still in college, but it wasn't until a few years later, in 2014, that I decided to pursue it professionally. In 2017, I began authoring projects and had my first individual and collective exhibition. Since then, I've also begun to teach photography, am a member of a photography collective, and have won a few awards. There are numerous experiences that have always yielded excellent results for me.


NFoTo - What is your creative process, and how do you find inspiration in photography?


Karla Noronha - My creative process includes both looking inside and looking outside. That is, whatever draws my attention, I direct it toward an internal reflection that generates a theme. Then I look for aesthetic and theoretical references before deciding on a photographic technique. I create the images, curate and edit them while keeping the theme's purpose in mind, and then edit. I remake images, re-edit them, and revise the curatorship as needed. However, I also allow myself to express my photographic work in other languages, such as video, hybrid photography, handmade printing, and so on.





NFoTo - What can you tell us about your work 1/1, which we've featured here?


Karla Noronha - The NFoTo community's works are part of my first fine art photography project, which has already had physical exhibitions and is now available as digital works in NFT. In this project, I documented a cultural, religious, affective, and social manifestation of João Pessoa, the city where I live. It is a record of who we are, a connection between the higher and lower selves. That is why it is named Harmony. We are constantly seeking material and spiritual balance.





NFoTo - What do you think is good about NFT photography?


Karla Noronha - NFT photography opens doors and paths for us to explore new workspaces, learn about technology, develop projects with social causes, teach in virtual environments, it is more accessible, and it is a way to keep our images' copyright. I believe it is a step toward establishing photography as an art form.


NFoTo - What is the greatest artistic challenge for artists?


Karla Noronha - Allowing yourself to experiment and create with technology is, in my opinion, the biggest challenge. We are afraid of being dominated by it and of departing from the creation pattern that we learn in the courses. Second, see yourself as a professional, an entrepreneur, and learn to collaborate. You must cultivate the managerial aspect of yourself and your work.





NFoTo - What does photography offer the creator that other forms of art do not?


Karla Noronha - Photography is linked to technology. This enables me to create and experiment more with editing software, artificial intelligence websites, and techniques from other artistic languages in my work to strengthen my identity as a photographer and artist.


NFoTo - What are you looking for when you create images? What message or effect do you hope to convey through your works?


Karla Noronha - I try to show my sensitivity and perception of the people and places I photograph in order to reveal the essence behind the pattern. In the self-portraits, I hope to expose female universe experiences and feelings in order to encourage reflection on the role of women in society.





NFoTo - You are a teacher, photographer, and perform other duties. What do you enjoy most about this rush?


Karla Noronha - The ability to create and recreate with photography as a tool. Then comes the opportunity to share my experiences and demonstrate to others and my students the importance of facing fear, experiencing creation, and resignifying one's work. This allows me to stay up to date on technological advancements, and the arts have strived to keep up with novelties and new trends.


NFoTo - What did you think of 2022?


Karla Noronha - The year 2022 was an eventful one in the world of NFTs. I learned that I cannot work alone and that making connections, participating in projects and communities would provide me with the necessary learning and place me in spaces where I could establish my place on the web3. After joining crypto artist communities in the second half of 2022, I began selling my photographs as NFT in the second half of 2022. That was the only way I could understand how the web3 ecosystem works and which platforms I should put my work on. I also began working as a video editor and community moderator. In 6 months on the web, I gained the equivalent of 2 years of work in the physical world.


NFoTo - What is your career ambition, and what do you hope to achieve by 2023?


Karla Noronha - In 2023, I want to publish my work on more NFT platforms, become more involved in the communities in which I work, and create a web-based project3. Now I see how important it is to strengthen the bonds I established last year.





Twitter >>> Twitter




Portuguese version - versão em português




A visão sensível e a força criativa de Karla Noronha


Karla Noronha é uma artista brasileira com um estilo multidisciplinar. Ela é fotógrafa, artista, designer, professora e empreendedora. Na arte, ela cria projetos tocantes, sensíveis e com um olhar próprio sobre temáticas relevantes. A comunicação é algo que se faz presente na rotina da artista. Natural de Crato, Ceará, Brasil. Karla vive e trabalha em João Pessoa, Paraíba, Brasil. É mestra em Comunicação pela Universidade Federal da Paraíba, estudante de Design Gráfico pelo IFPB, trabalhou como professora na UFPB e FPB nos cursos de Comunicação Social, repórter fotográfica e ministrou disciplinas de fotografia pelo PRONATEC, curso e workshop de fotografia pelo SENAC/PB.


Com prêmios e participação em inúmeras exposições, Karla acredita no poder desta nova fase da web3. O que na visão dela é sobre comunidades, colaboração e a importância das causas que façam a diferença na vida dos artistas e das pessoas. A arte é parte de sua vida. Karla cria trabalho autorais buscando sempre registrar e desenvolver projetos com temáticas voltadas para manifestações culturais, fotografia de rua, artística e autorretrato. Participa do coletivo fotográfico Brincantes de Imagens em que faz pesquisa e produção fotográfica individual e coletiva.


Em 2022 Karla entrou na fotografia blockchain com coleções e obras em NFT. Nesta conversa ela contou sobre sua visão de mundo, da arte e de sua nova fase na fotografia blockchain. Boa leitura.



NFoTo - O que te levou para a fotografia? Conte um pouco da sua história


Karla Noronha - O que me levou para a fotografia foi a necessidade trabalhar de forma mais autônoma depois que concluí o mestrado. Eu havia desenvolvido o gosto pela fotografia ainda na graduação, mas só depois de alguns anos decidi ingressar nesse meio através da fotografia comercial, em 2014. Em 2017 iniciei os projetos autorais e nesse mesmo ano fiz a primeira exposição individual e coletiva. De lá para cá também passei a ensinar fotografia, participo de um coletivo de fotografia, ganhei alguns prêmios. São muitas experiências que sempre me trazem ótimos resultados.



NFoTo - Qual é seu processo de criação e como se inspira na fotografia?


Karla Noronha - Meu processo de criação passa pelo exercício de olhar para dentro e olhar para fora. Ou seja, o que me chama a atenção trago para uma reflexão interna que gera uma tema. Depois busco referências estéticas e teóricas, escolha a técnica de fotografar. Crio as imagens, faço a curadoria e edição pensando no propósito que o tema precisa expor para depois editar. Se necessário, eu refaço alguma imagem, reedito, reviso a curadoria.

Mas também me permito desdobrar o trabalho fotográfico em outras linguagens como vídeo, fotografia híbrida, impressão artesanal, etc.


NFoTo - O que pode contar sobre sua obra 1/1 que estamos destacando aqui?


Karla Noronha - As obras lançadas pela comunidade Nfoto fazem parte do meu primeiro projeto de fotografia autoral que já passou por exposições físicas e agora coloco como obras digitais em NFT. Nesse projeto registrei uma manifestação cultural, religiosa, afetiva e social da cidade em que vivo, João Pessoa. É uma documentação sobre quem somos, uma relação entre o EU superior e a vida exterior. Por isso, se chama Harmonia. Pois estamos sempre procurando pelo equilíbrio material e espiritual.


NFoTo - O que vê de bom na fotografia NFT?


Karla Noronha - A fotografia NFT abre portas e caminhos para explorarmos novos espaços de trabalho, aprender sobre tecnologia, desenvolver projetos com causas sociais, ensinar em ambientes virtuais, é mais acessível e uma forma de preservar o direito autoral das nossas imagens.. Acredito que é um caminho para a fotografia se estabelecer como Arte.


NFoTo - Qual o grande desafio da arte para os artistas?


Karla Noronha - Acredito que o grande desafio é se permitir experimentar e criar usando a tecnologia. Temos receio de ser dominados por ela e de sair do padrão de criação que aprendemos nos cursos. Em segundo lugar, se enxergar como profissional, empreendedor e aprender a trabalhar de forma coletiva. É preciso desenvolver o lado administrador de si mesmo e do próprio trabalho.


NFoTo - O que a fotografia oferece para quem cria diferente de outras formas de arte?


Karla Noronha - A fotografia está conectada com a tecnologia. Isso me permite criar e experimentar mais utilizando os programas de edição, os sites de inteligência artificial e também aplicar técnicas de outras linguagens artísticas nos meus trabalhos para reforçar minha identidade de fotógrafa e artista.


NFoTo - O que busca na criação das imagens? Qual mensagem ou efeito tenta levar para suas obras?


Karla Noronha - Eu busco mostrar a minha sensibilidade e percepção sobre as pessoas e lugares que fotografo para mostrar a essência o que está por trás do padrão. Nos autorretratos busco expor vivências e sentimentos do universo feminino para estimular uma reflexão sobre o papel da mulher na sociedade.


NFoTo - Você atua em várias frentes como professora, fotógrafa e outras rotinas. O que mais aprecia nesta correria?


Karla Noronha - A possibilidade de criar e recriar usando a fotografia como ferramenta. Depois vem a oportunidade de compartilhar as experiências e mostrar para as pessoas e meus alunos que é necessário enfrentar o medo e experimentar a criação e resignificar o próprio trabalho. Isso me permite estar conectada com as mudanças tecnológicas e as artes tem buscado acompanhar as novidades que chegam.


NFoTo - Como foi 2022 para você?


Karla Noronha - O ano de 2022 foi um ano de muitas experiências no mundo dos NFTs. Aprendi que não posso trabalhar sozinha e que fazer conexões, participar de projetos e comunidades me traria o aprendizado necessário e me colocaria em espaços para eu estabelecer meu lugar na web3. No segundo semestre de 2022 eu comecei a vender minhas fotografias como NFT depois de entrar em comunidades de cripto artistas. Só assim, consegui entender como o ecossistema da web3 funciona e em quais plataformas eu deveria colocar meu trabalho. Também iniciei trabalho como editora de vídeo e moderadora de comunidade. Em 6 meses na web vivenciei o equivalente a uns 2 anos de trabalho do mundo físico.


NFoTo - Qual seu sonho para a carreira e o que espera para 2023?


Karla Noronha - Em 2023 quero colocar meu trabalho em mais plataformas de NFT, me envolver mais com as comunidades que trabalho e desenvolver algum projeto na web3. Agora percebo que é necessário aprofundar as conexões que criei ano passado.






Twitter >>> Twitter






0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page